06 março 2014

SOBRE O PLÁGIO - MARLA DE QUEIROZ

"Sobre o Plágio

Quando alguém se apropria de um texto sem dar os créditos ao autor, essa pessoa se apropria de um momento, de uma história que a inspirou, da oscilação dos sentimentos, de trocas íntimas.Ela se apropria de uma transa, de um abraço, de uma vitória, de uma dor, de uma cura e de horas que foram dedicadas à elaboração daquilo. Ela se apropria de uma lembrança, de uma saudade, de uma angústia, de uma solidão, de um talento. Ela se apropria de algo que pode exemplificar exatamente o que ela queria dizer, mas que teria dito de outra forma.Ela não escreve uma história, ela escreve uma farsa.

Por mais que um texto meu pareça fluido ou que eu tenha “facilidade” em escrever, este é um ato solitário e de muita entrega. As palavras são temperamentais e, muitas vezes, arredias. Seduzi-las será sempre um desafio. Compartilhar um texto é um ato de generosidade, porque se compartilha, antes de tudo, uma nudez. E é essa honestidade que tantas vezes desanuvia o coração de alguém que descobriu que não está passando pela mesma situação sozinho. Compartilhar é uma forma de dar calor, de segurar a mão, de fazer um afago, de pedir colo. Por mais simples que seja um texto, ele sempre é fruto de muita leitura, estudo, autoconhecimento, conversa, observação e trabalho. Por isso, o autor merece respeito e consideração. Talvez algumas pessoas não saibam, mas textos são como filhos que a gente solta no mundo, mas todos eles têm uma certidão de nascimento, uma identidade, uma digital.E serão reconhecidos mesmo que desfigurados, porque têm DNA."

Marla de Queiroz

24 janeiro 2014

Gosto de gente que me puxa pra cima. Gente que explora o melhor de mim. Gente que quer de mim meu melhor sorriso, minha emoção mais sincera. Gente que me faz rir com qualquer bobagem. Que ri das minhas bobagens. Que ri de si mesmo. Gente que é um e que se desdobra em mil. Gente pra quem a verdade tem uma só versão. Gente que quer minha companhia mas também a minha ausência. Gente que pode estar em qualquer lugar mas escolhe estar comigo. Gente que enxerga meus defeitos mas só vê minhas qualidades. Gente que muda meu dia pra melhor. Gente que vem e que vai mas que fica. Gente que me amola, me intriga, me seca. Gente que me inspira, me convence, me leva. Gente que me faz ver cor no mundo. Gente que canta, que dança, que ri no meio da rua. Gosto de gente solta, de gente leve. Gosto de gente que não leva a vida tão a sério.

19 dezembro 2013

CONTRA A CAFONICE

TEXTO DE: FELIPE MOURA BRASIL


“Benditas sejam as moças de vestido sem brilhos, ombreiras e tantos babados, sem cintos de couro, barbante, metal, muito menos fivela; e jamais embaladas a vácuo, pois que a sensualidade, para além da atitude, está mais no detalhe do tecido que roça o corpo em movimento que no grude integral ao corpo estático.
Benditas sejam as moças de calça jeans e blusinha branca ou preta, sempre básicas por ruas e bares – como aliás pedem as ruas e os bares, nas calçadas da Pavuna ou do Leblon -, e quiçá de alcinha, como quem dá de ombros aos excessos da moda e leva o sorriso à frente da roupa.

Benditas sejam as moças que não saem para tomar um chopinho como quem vai para um casamento, e nem vão para um casamento como quem vai para um Halloween.

Benditas sejam as moças capazes de colocar um shortinho e um par de chinelos, e descer em 5 minutos se o homem diz que está passando na portaria, conscientes de que nada é mais elegante que uma mulher despojada e segura de si.

Benditas sejam as moças de sandalinha rasteira, sempre baixa, mas, em último – e somente último – caso, aptas a andar e sambar de salto, porque é o samba que dá a medida – mesmo que a ocasião não obrigue ao samba – da altura que uma mulher pode ter.

Benditas sejam as moças de bolsas funcionais e discretas – adeus, correntes douradas -, daquelas que jamais atrapalham o abraço, nem substituem a lanterna em caso de apagão, muito menos parecem, redondas, uma capa de pandeiro ou tamborim.

Benditas sejam as moças atléticas, que, ao se vestirem, buscam mais suavizar seus atributos – para fugir ao exibicionismo das periguetes turbinadas – do que ocultar seus defeitos – pendurando a saia nos seios, por exemplo, para encobrir a bunda faltante – e ainda dispensam a mão na cintura para tapar o pneuzinho no álbum de fotos.

Benditas sejam as moças leves, práticas e apresentáveis à família de seu pretendente, que não se deixam transformar em bonecas russas ou árvores de Natal, daquelas que, de tantas camadas (peças de roupa e cosméticos) e enfeites (colares, pulseiras, braceletes, brincos, pingentes e anéis), um homem precisaria de dois ou três Dias de Reis para desmontar.

Benditas sejam as moças que se sabem bonitas, pois nada é mais feio que uma moça bonita que tenta, à força de maquiagens, parafinas e demais pilantragens, ser aquilo que, sem elas, já é.

Benditas sejam as moças feias que se embelezam pela força de sua personalidade, de seu caráter e das suas realizações, bem como pela via dos exercícios físicos, ao invés de buscar a solução agravante de um artificialismo (cirúrgico) qualquer.

Benditas sejam as moças, bonitas ou feias, cujos pais – sobretudo o pai -, quando não também os demais homens de sua vida, disseram-lhe sempre ser a coisa mais linda do mundo, transmitindo a elas a confiança necessária para ignorar os apelos publicitários, que lhes prometem uma beleza inalcançável à base de todos os produtos que as enfeiam cada vez mais.

Benditas sejam as moças curiosas, inquietas e interessadas, que enxergam além das próprias mães e miguxas, sabendo que o senso estético vem do berço e do ambiente, mas, como tudo o mais, pode ser desenvolvido com a ampliação do imaginário e a elevação do espírito, através de um conhecimento que não é servido no Open Bar.

Benditas sejam as duas ou três moças que sobraram por aí, imunes ao império da cafonice não (só) pela sorte de terem tido bons exemplos, mas (também) porque, diante do acesso ilimitado aos bens de consumo, conservam o desejo quase extinto de ser muito mais do que aquilo que podem comprar.

Benditas sejam as moças que são.”

Felipe Moura Brasil

19 outubro 2011

SOBRE O BLOG


 
Quando este blog começou, láaaa atrás, em 2006, eu tinha uma necessidade muito grande de escrever. Colocar no papel era a forma que eu tinha de organizar meus pensamentos, conseguir enxergar melhor a situação e falar, pra mim mesma, como eu deveria lidar com o que eu estava vivendo. Escrever era uma coisa natural e que me acontecia automaticamente. Tudo virava texto.

No meio do percurso (de 2006 pra cá), muita coisa mudou. Cinco anos - quase seis - muda muita coisa na vida da gente. E como passa rápido! Nesse tempo, vivi muita coisa. Coisas boas e ruins. Várias delas viraram texto aqui no blog (como esquecer a fatídica bolsada que entrou pra história?). Outros textos simplesmente foram inspirados em alguma coisa que eu gostaria de ter vivido. Ou que eu jamais viveria. A imaginação também sempre foi fonte de textos por aqui.

No começo, este era um blog tímido, com poucos leitores. Mas, com o tempo, muita gente foi conhecendo o blog e a coisa tomou uma proporção que eu jamais imaginei. A ponto de as pessoas me pararem na rua, no meio de festas e perguntar “oi, você é a Brena do blog?”. A ponto de eu estar na rua em uma cidade como São Paulo e alguém me reconhecer no meio da multidão “você é a Brena?”. A ponto de amigos meus falarem “Brena, você ta famosa? Porque um amigo meu de Goiás veio me perguntar se eu te conhecia pessoalmente e disse que lê seu blog”. Enfim, coisas desse tipo foram se tornando cada vez mais frequentes.

Vi uma vez num filme (não consigo me lembrar qual) que quando você se abre pras pessoas, você recebe o bom e o ruim. E a parte boa que recebi foi uma legião de leitores fiéis, leais e que sempre me apóiam em tudo. Sempre que acham textos meus publicados com créditos de outros autores, me avisam, me ajudam a denunciar. Enfim, ganhei várias amigas e amigos fiéis. Por causa do blog, conheci muita gente pessoalmente também e essas pessoas são amigas até hoje.

Mas, o lado ruim, claro, veio junto, ainda que em menor proporção. Como a coisa começou a crescer muito rápido, meus textos foram se espalhando rapidamente por aí e, óbvio, não demorou muito para que meus textos virassem “do Caio F. Abreu” ou “da Tati Bernardi”, “da Clarice Lispector” ou de anônimos, Zés e Marias ninguém, que simplesmente pegam textos e assinam como se fossem deles tentando ganhar algum mérito por isso. Não sei se esses anônimos sabem, mas isso é crime e Direito Autoral é protegido por lei. Pensando nisso, todos meus textos publicados aqui foram registrados na Biblioteca Nacional, no Escritório de Direitos Autorais.

Como muitos de vocês devem saber, eu não sou escritora, nunca ganhei um centavo escrevendo. Nunca publiquei livro. Nada. Sou Publicitária, com especialização em Marketing e trabalho atualmente como Maquiadora. E é com isso que ganho a vida e algum dinheiro honesto. Escrever nunca me rendeu nenhum centavo, mas me rendeu coisas boas como leitores fofos, e-mails lindos e comentários emocionantes que recebo de cada um de vocês diariamente. E eu sou muito grata por tudo isso.

Porém, de um tempo pra cá, a coisa saiu do controle. Twitters como “Frases de Clarice” e “Frases do Caio”, que tem tipo 200 mil seguidores cada, divulgam frases de textos meus como se fossem desses escritores. E aí a coisa toma uma proporção que eu, mesmo com meu exército de leitores fiéis e sempre a postos, não consigo combater. Páginas do Facebook divulgam e a coisa vira uma bola de neve. Dia desses, comuniquei a uma página e tive que provar que o texto era meu e não do Caio. Tive que enviar número de registro da Biblioteca Nacional e tudo mais. Na hora de publicarem que o texto era do Caio, ninguém consultou ele, né?!

Enfim, coisas desse tipo acabaram virando uma dor de cabeça pra mim e foram me brochando pra escrever. A cada texto, tenho uma nova chateação. A alegria é imensa quando posto o texto, mas depois começa o desgosto. São mil pessoas me elogiando e depois 200 mil lendo que o texto é de outro autor.

Pensei muito antes de tomar esta decisão, mas estou segura dela. A pior parte foi pensar como eu ia dizer isso pra vocês. Acredito que vocês podem não concordar com minha decisão, mas vão entender meu lado. Decidi que não vou mais escrever no blog. Essa não é uma decisão pro fim da vida, mas é uma decisão de pelo menos um tempo. Pode ser que daqui seis meses, um ano, eu mude de idéia. Mas por enquanto é isso. Não dizem que os incomodados que devem se retirar? Então, estou me retirando oficialmente. Perdeu a graça essa brincadeira.

Todos os textos que escrevi vão continuar aqui, não vou retirar nada do ar. Tem mais de cem textos, todos no histórico, desde 2006, na barra lateral direita. Vou continuar vigiando meus textos, denunciando as páginas e lutando pela minha autoria (já que não ganho um centavo escrevendo, vou começar a ganhar dinheiro processando gente de má fé, né?! Hahaha).

Não pensem que essa decisão foi uma atitude covarde minha, pois, tendo vocês todos do meu lado, eu jamais perderia a coragem. É só que cansei de produzir material pra outros autores. Cansei de dar pano pra manga, sabe?! Vocês me entendem.

Podem continuar me seguindo no Twitter e no Facebook. Estou sempre disponível pra vocês! Ah, e usem o botão "curtir" pra compartilhar os textos que vocês mais gostarem. Coloquei, em todos os textos, essas opções de compartilhamento nas redes sociais. Obrigada por tudo sempre! Sou muito grata a todos meus leitores, por tudo! 

Beijos,
Brena

23 agosto 2011

O HOMEM DA RELAÇÃO


Deixa eu só pontuar uma coisinha com você: eu não gosto de ser o homem da relação. Eu sei fazer tudo que um homem faz (quase tudo), mas eu gosto que façam por mim. Eu não vou trocar o pneu do meu carro na sua frente, apesar de eu fazer isso muito bem. Eu não vou dirigir enquanto você me olha. Sim, pode me chamar de machista, mas eu gosto de ser o lado frágil da relação.

Eu gosto que você abra a porta do carro, mesmo que seja só de vez em quando pra me agradar. Eu gosto que você dirija o meu carro, mesmo que eu faça isso melhor que você. Eu gosto que você carregue as sacolas de supermercado, mesmo que eu aguente todas elas. Eu gosto que você me leve ao médico quando eu fico doente, mesmo que eu consiga ir sozinha. Eu gosto que você me apóie quando eu estou triste, mesmo que seja por uma coisa aparentemente sem importância.

Eu gosto de ser cuidada por alguém. Gosto de ser o lado mulherzinha da relação. Gosto que você faça os planos. Que você escolha o destino. Que você trace os roteiros. Que você assuma o comando. Que você me guie (mesmo que eu não te siga). Eu gosto de alguém que eu possa admirar. De quem eu tenha orgulho. Gosto que você saiba aonde vai me levar sábado à noite. Eu gosto de ser conduzida.

Detesto homem sem vontade própria. Detesto as respostas do tipo “você que sabe” quando eu pergunto uma coisa simples como “onde você quer sentar?”. “Você que sabe”??? Como assim eu que sei onde você quer sentar? Não era pra cada um saber o que cada um quer? Detesto homem sem atitude. Sem vontade. Detesto homem frouxo. Detesto homem indeciso. Inseguro. Insegurança acaba com qualquer tesão. E nem estou falando de sexo.

Detesto homem que divide conta de trinta Reais. Paga a porra da pizza que depois eu pago o cinema, pode ser?! Não vem dividir pizza de trinta Reais da promoção que você comeu sete pedaços e eu comi um! E mesmo que eu tivesse comido todos os pedaços. Homem que faz conta de miséria é o fim do mundo. E olha, tenho meu dinheiro, não preciso do seu. Estamos falando de gentilezas aqui. Não estou querendo que você banque meus luxos nem pague minhas contas. Mas, por favor, não me chame pra tomar um vinho e me faça pagar a metade da garrafa. É brochante!

Me proteja. Faça eu me sentir segura do seu lado. Seja meu ponto de partida e meu destino final. Segure a minha mão. Me pegue no colo quando eu precisar. Seja meu colo. Abra um guarda-chuva pra mim quando for chover. Me abrace quando eu chorar. Diga que tudo vai dar certo mesmo que você não faça a mínima idéia do que está falando. Fique do meu lado quando eu precisar de você, mesmo que você não saiba o que me dizer. Porque eu vou estar do seu lado nos momentos bons e nos momentos ruins. Posso pagar todas as pizzas de trinta Reais no mundo se um dia você precisar. Posso trocar os quatro pneus do seu carro se, por algum motivo, você não puder fazer isso. Mas enquanto isso, seja gentil. Seja cortês. Seja cavalheiro. Seja um gentleman. Seja o homem da relação.

07 julho 2011

O CAFAJESTE E O BOM MOÇO


Ando muito preocupada com um tipo de homem que se prolifera por aí: o bom moço. O bom moço é aquele em que você acredita. Ele faz planos com você. Ele te apresenta pra mãe dele na segunda semana de namoro. Ele quer namorar com você na primeira vez que vocês saem juntos. O bom moço é tudo de bom. Ele chega na sua casa com presentes fofos. Ele é fofo. Ele te mima. Ele fala macio. Ele beija macio.

Mas é justamente aí que mora o perigo. O bom moço é aquele que nunca vai levantar suspeitas. Você nunca vai imaginar que ele está fazendo nada de errado (mesmo que ele te ligue de um lugar barulhento sexta-feira onze horas da noite e te diga que está trabalhando). O bom moço está acima do bem e do mal. O bom moço é um cidadão acima de qualquer suspeita.

Deve ser por isso que sempre gostei dos cafajestes. Pelo menos, eles assumem que não prestam e não ficam bancando os santos. Você sabe o que você vai levar pra casa na hora que compra. Não tem surpresa depois de dois meses de uso contínuo. Porque os cafajestes são aquilo que são. Não usam máscaras ou qualquer truque pra seduzir as mocinhas desprevenidas.

O cafajeste é aquele que não vai te ligar. Não vai te mandar flores, nem te dar presentes. O cafajeste vai correr dos mínimos sinais de compromisso. O cafajeste não vai passar a noite com você. Ele vai embora assim que o dia clarear. Não vai deixar escova de dente na sua casa (afinal, isso seria um sinal de compromisso sério, na cabeça dele). O cafajeste é o oposto do bom moço. Não vai te apresentar pros amigos, não vai te convidar pro almoço de família. Ele não faz nada pra parecer fofo ou bom moço pra você.

E a vantagem do cafajeste é justamente esta: ele não está tentando te enganar. Ele é aquilo. Bom ou mau, ele é o que é. Ele não vai te fazer promessas, não vai ser romântico, não vai assumir compromisso. Ele não vai te enrolar. Ele vai te ligar segunda-feira depois de você ter passado o final de semana inteiro esperando um telefonema. E vai sumir sempre que chegar a sexta-feira. Ele não vai te dar desculpas pra não te encontrar. Simplesmente vai te dizer que tem um outro compromisso e não vai te incluir.

Pode parecer que eu estou ficando doida, mas hoje tenho medo do bom moço. O bom moço, inevitavelmente, vai te decepcionar. Não porque ele possa fazer uma grande merda (e sim, ele pode), mas porque você não espera isso dele. Ele te faz acreditar que ele é incapaz de te decepcionar. Ele te faz acreditar que ele é o príncipe encantado, mas obviamente, uma hora o príncipe vira sapo. Já o cafajeste é sapo por natureza. Ele já entra na sua vida como sapo. Por isso, você não espera dele atitudes de príncipe. O cafajeste é inofensivo, acredite em mim. Perigoso mesmo é o bom moço.

30 maio 2011

O OUTRO LADO DA HISTÓRIA


Toda história tem dois lados. E este é o meu:

A verdade é que eu fiz uma grande merda. E, como todo mundo sabe, grandes merdas fazem a gente perder grandes pessoas. E a verdade também é que você é a maior pessoa na minha vida. Que eu perdi por uma merda do tamanho da minha burrice. E que você nunca imaginou que eu fosse capaz de fazer o que eu fiz. E eu nunca imaginei que fosse te perder um dia. Nunca.

Não é fácil achar gente do bem por aí. Que virava o mundo de cabeça pra baixo e se virava em mil pra ficar comigo. Mesmo sem eu dar nenhuma prova de que eu te amava o mesmo tanto que você me amava. De que o nosso amor era sério pra mim. Mas eu te achei. No meio de um monte de gente vazia e sem graça, eu te achei. E nunca – nunca – imaginei que fosse me ver sem você.

Tenho sentido um frio absurdo. Como se me faltasse um cobertor numa noite fria. Mas, na verdade, me falta você. Tenho passado minhas noites em claro pensando em uma forma de voltar no tempo. Porque, juro, se eu pudesse voltar atrás, faria tudo diferente. Nunca quis te magoar. Nunca quis fazer tão mal pra alguém que me faz tão bem. Que já é parte de mim.

Me falta você nessas noites frias. Falta você embaixo do meu edredom de bolinhas. Falta você com esse cheiro mais doce do mundo. Com seu olhar de menino. Com essa cara de bom moço que chegou e me convenceu. Falta em mim o seu cheiro de biscoito Passatempo (não era isso que você me dizia?). Falta sua respiração no meio da noite. Falta o mundo. Me falta o chão sem você.

Não quero que você entenda o que eu fiz. Porque o que eu fiz não tem explicação. Não estou querendo me justificar, nem explicar o inexplicável. Não estou te pedindo desculpas. Só queria que você visse o meu lado. Porque, por mais incrível que possa parecer, não está sendo fácil pra mim também. Estou pagando o preço justo pelo crime que cometi. Por trair a sua confiança. Mesmo assim, não consigo suportar a dor que é viver sem você. Estou sendo castigada com a solidão.

Só queria terminar este texto dizendo que ainda te amo. E que, por mais que você me odeie agora, sei que, quando a raiva passar, você vai perceber que nunca deixou de me amar. Ou, como já disse Martha Medeiros: o contrário do amor não é o ódio. O contrário do amor é a indiferença. E vai demorar pelo menos sete vidas pra você conseguir ser indiferente a mim. E, da minha parte, posso te garantir: nunca vou te esquecer. Nem depois de sete vidas. Por hoje, sei que te perdi. Mas a nossa história não termina aqui. A gente ainda tem uma vida inteira pra viver e você vai voltar. É a única certeza que eu tenho. Porque um amor assim não termina antes do final da história. E a nossa história está só começando.

..........................................................................

Leitores queridos, esse texto é uma obra de ficção. Um exercício de me colocar no lugar do outro. Todos somos capazes de errar. O que vai fazer a diferença é como cada um lida com o erro. Pedir desculpas da boca pra fora é a coisa mais fácil do mundo. Difícil é dizer com o coração: "me desculpa, eu errei"... e se arrepender de verdade.

Beijos e boa semana!

19 maio 2011

MAIS MACHO QUE MUITO HOMEM


Eu não estou procurando namorado. Já falei mil vezes que me dou muito bem com a minha própria companhia. Não tenho interesse de fazer meu ficante-médio-interessante subir pra posição de namorado. Namorar por conveniência é para os fracos. Pra mim, não. Eu sou guerreira. Vou atrás do que quero e o que eu quero é um homem de verdade. Quero um homem que seja mais homem do que eu. Isso mesmo: um homem que seja mais homem do que eu.

Não é fácil ser homem, eu imagino. É esperado que vocês tenham um bom salário, que vocês paguem a conta, que vocês tomem a iniciativa, que vocês sejam altos, que vocês sejam fortes, que vocês tenham pintos grandes. E que se convençam de que tamanho não é documento. Eu sei. Não é nada fácil ser homem. Mas eu coloco meu lado homem todo dia em exercício. Troco pneu de carro, troco chuveiro elétrico, conserto descarga, dirijo por 600km sozinha. Me viro sem precisar da força de ninguém a não ser da força física. Sou mais homem do que quase todos os homens que já passaram pela minha vida. Sou homem de terminar um relacionamento com dignidade sem precisar dar motivos toscos pra outra parte sair fora. Sou homem na hora de assumir o que eu quero sem precisar manter relacionamentos paralelos pra massagear meu ego. Sou homem na hora de ter uma conversa séria ao invés de gritos e acusações. Sou homem do começo ao fim de um relacionamento. Ou, como cantava a canção: sou mais macho que muito homem.

Dureza é ver homem que não honra as próprias calças, como dizia meu avô. Que precisa trair ou magoar alguém pra fazer essa pessoa ir embora ao invés de simplesmente dizer adeus. Dureza é ver homem que mente descaradamente e se faz de bom moço. Dureza é ver homem que acha que é melhor do que a mulher porque tem um salário maior. Dureza é ver homem castrador que proíbe a mulher de usar saia curta ou qualquer coisa que a deixe sexy, enquanto compra revista de mulher pelada pra ver exatamente aquilo que ele faz a mulher esconder. Dureza é ver homem que proíbe a mulher de ter amigos enquanto ele paquera até a moça do café no trabalho. Dureza é ver homem que corta a Internet da mulher enquanto ele adiciona as vizinhas no Facebook. Isso pra mim é, como eu ia dizendo, não honrar as próprias calças. Isso pra mim é falta de hombridade. Falta de ser homem de verdade mesmo. E esse tipo é o que mais tem por aí.

Mas o homem que eu estou querendo não tem nada a ver com isso. O homem que eu quero precisa invadir minha vida de um jeito que nenhum homem fez ainda. O homem que eu estou procurando precisa ser capaz de trocar não só pneu de carro, mas todos os conceitos machistas arraigados por uma visão mais atual dos relacionamentos. O homem que eu estou procurando precisa mais do que dirigir um carro por longos quilômetros de estrada, precisa saber conduzir um relacionamento por alguns períodos intempestuosos. O homem que me atrai não precisa pegar duzentos quilos na academia, mas precisa saber segurar uma barra quando nem tudo forem flores. Porque, pra mim, ser homem não é uma questão de sexo apenas. É uma questão de atitude diante das situações mais adversas. E esse homem que eu quero precisa ser homem de verdade. Precisa ser mais homem do que eu. Porque eu sou muito homem.

19 abril 2011

ELE VAI SE CASAR


Ele vai se casar. Ele vai se casar daqui duas semanas apesar de a gente ter se encontrado secretamente ontem à noite. Ele vai se casar porque agora ele é um homem importante e precisa ser um homem casado pra mostrar que amadureceu. Ele vai se casar ignorando todas as vezes que ele me encosta e o corpo dele se arrepia. Ele vai se casar ignorando o fato de que a vontade que ele tem de me encontrar não vai acabar no dia seguinte do casamento dele. Ele vai se casar e a gente só não vai se encontrar mais porque me recuso a me encontrar secretamente com homem casado. Ele vai se casar e vai receber mensagens de texto no celular como essa que acabei de ouvir agora “amor, não esqueça o arroz”. Ele vai se casar e todo o arroz que vão jogar nos noivos vai simbolizar o tanto de vezes que a noiva dele vai ser traída. Ele vai se casar e a minha vida vai continuar sem ele porque sempre foi assim. Ele vai se casar e provavelmente este será o último texto que fala sobre ele na minha vida (eu poderia escrever vários outros sobre o quão tediosa e previsível a vida dele vai ser daqui pra frente mas prefiro me abster). Ele vai se casar e tudo que eu pensava sobre o amor vai por água abaixo assim como nossos encontros secretos. Ele vai se casar e vou começar a acreditar que todas as pessoas estão condenadas a se casarem com outras pra terem relacionamentos estáveis (que eu chamo de mornos). Ele vai se casar e me fazer acreditar que todas as paixões arrebatadoras estão condenadas ao fracasso. Ele vai se casar e todas as chances de a gente se ver de novo vão escorrer pelo ralo daqui duas semanas.

Ele vai se casar e, sinceramente, não estou arrasada. Acho digno que esse tipo de pessoa saia mesmo da minha vida pra sempre. Não compartilho desse pensamento retrógrado de se casar por conveniência. Ele vai se casar e a coitada da noiva vai continuar sendo traída. E talvez ela finja que não sabe por conveniência também. Talvez ela finja que não sabe que ele é assim pra não ter que desmarcar o casamento. Talvez ela saiba e não queira saber. Um finge que engana e o outro finge que acredita. Talvez seja boa a vida assim. Mas não pra mim.

A minha vida vai continuar. E a dele também. E as chances de o mundo parar pra gente de novo vão se perder. E todo o vinho, o suor, a paixão do mundo, não vão nos pertencer mais. Vou continuar buscando ele em outros corpos. Em outros copos. Em outras noites divertidas com vinho. E ele vai continuar me buscando nela. E eu não vou estar lá. Não vou estar lá pra presenciar esse maldito casamento de fachada. Não quero ser testemunha de uma farsa. Não nasci pra me casar com alguém pra fazer bonito pros outros. Pra gastar com festas caríssimas que depois vão virar dias tediosos ao lado de uma pessoa tediosa.

Ele vai se casar e este texto não é um protesto contra isso, nem uma tentativa de fazê-lo desistir. Porque não há mais volta. Meu reinado chegou ao fim. Apesar de eu ter chegado muito antes dela, não há qualquer sentimento de ter perdido alguém que poderia passar a vida comigo (nem tudo que se perde tem valor, já diz uma música brega que ouvi). Esse texto é só pra dizer que, de uma certa forma, estou feliz que ele vai se casar. Estou mais feliz ainda porque ele vai se casar e não é comigo. Porque eu não tenho a mínima vocação pra ser corna.

..............................................................................

Este blog é uma obra de ficção. Todos os textos publicados aqui são fruto da minha imaginação fértil. Ou não.

30 março 2011

CAFAJESTES E MULHERES EVOLUÍDAS


Eu não sou uma pessoa romântica e queria que isso ficasse bem claro desde já. Não espere de mim carinhas meigas ou frases feitas. Eu não vou dizer que te amo com duas semanas de namoro. Nem se eu forçasse todo o romantismo que não tenho. Não me mande flores no dia seguinte de ter aprontado comigo. Elas vão todas pro lixo assim como qualquer possibilidade da gente ter algo mais sério. E, sim, eu falo palavrão. Até porque um bom palavrão ajuda a lavar a alma, aliviar a dor e espantar o tédio. Então não faz essa cara de espanto toda hora.

Não tem a mínima condição de eu saber se eu quero algo sério com você em tão pouco tempo que te conheço. E, por favor, não me pressione. Vai ficar chato e eu vou pular fora. Sou meio homem nessas horas. Não me faça sentir culpa por querer interagir com você sem compromisso. Tempos modernos, entenda isso. Mais cedo ou mais tarde, vocês homens iam provar do próprio veneno. Foi bom pra você? Eu sei. É chato mesmo quando você quer algo sério e a pessoa só quer curtir. Mas faz parte da pesca. Como dizia meu ex: um dia da caça, o outro da pesca.

E hoje você é a minha caça. E não precisa embrulhar pra viagem, não, que eu vou devorar agora mesmo. Consumo imediato e instantâneo. Você não fazia isso com as outras antes? Eu te achei uma carinha bonita, mas por aqui onde eu moro tá cheio disso. E eu preciso de muito mais do que uma carinha bonitinha pra te querer. To dizendo querer com a alma, sabe? Querer, querer mesmo. Por enquanto, não. Por enquanto te quero mas de outro jeito - se é que me fiz clara. Pra eu te querer, querer mesmo, precisa de muito mais que isso. Faz um esforço, adota um animal, sei lá. Mas achar que vai me conquistar tirando a camisa na webcam não dá, né?!

Reconheço um cafajeste a quilômetros de distância. Porque eu atraio esse tipo. E, se eu te atraí, com certeza foi por isso. Você não passa de um cafajeste disfarçado de bom moço pra me conquistar. Conheço bem esse papo de romantismo. Banca o bom moço, se diz bem intencionado e dá o bote. Já vi esse filme. Esse tipo são os piores. Porque mulher acredita em homem “bom”. Acredita no príncipe encantado, no homem ideal, na cara metade e nesse monte de baboseira reforçada pela cafajestagem do mundo.

Mas sabe o que? Eu evoluí. Como um Pokemon moderno, eu evoluí. Aprendi a separar os bons moços dos moços como você. Otários. Babacas. Bananas, na verdade. Um bando de homens carentes de merda que usam as mulheres pra se sentirem bem. Usam e descartam. Usam enquanto precisam delas e descartam quando encontram a próxima infeliz. Mas essa não sou eu mais. Cansei de ser a infeliz na mão de otários como você. Virei a feliz e comecei a fazer do meu jeito. E o meu jeito é dispensar tipinhos manjados como o seu. Nesse papo, não caio mais. A romântica, a sonhadora, a fiel: morreu. De desilusão. Mas a boa notícia é que existe vida após essa morte. Isso eu te garanto. E olha, to me sentindo mais livre. A verdade liberta mesmo. E hoje, prefiro os homens de verdade. De carne e osso. E coração. Porque os cafajestes são personagens 24 horas. Robozinhos programados pra saber sempre o que falar pra uma mulher. E isso, não quero mais. Cafajestes não têm coração.

02 fevereiro 2011

POR FAVOR, NÃO ME AME


Dizem que as mulheres que passam dos trinta ficam desesperadas pra casar. Dizem. Ninguém diz nada dos homens. Ou melhor, não diziam. Porque, agora, eu vou dizer. Cansou minha beleza esse papo de mulheres desesperadas, afobadas e apressadas pra casar com o primeiro que aparecer. O que eu tenho visto por aí é muito diferente disso. Os homens estão desesperados à procura de uma mulher bacana pra namorar. Pra namorar, que fique claro. Porque pro resto está sobrando.

Com o tanto de mulher fácil que tem por aí, os homens estão ficando mais seletivos e – acreditem – querendo um relacionamento sério com uma pessoa só. Quando sexo era artigo de luxo, sexo prendia um homem a uma mulher. Hoje em dia, sexo eles conseguem na primeira noite, então os critérios de seleção passaram a ser outros. E com o tanto de mulher dada por aí, os homens pararam de procurar sexo (porque sexo ta em promoção na banca da feira) e começaram a procurar um relacionamento. Relacionamento sério hoje em dia virou o novo artigo de luxo.

Criamos a carência masculina. Homens saturados de noites calientes e camas vazias. Homens que cresceram como bebês chorões e pidões. Cidadãos que te ligam vinte vezes no dia seguinte e não querem desligar o telefone (isso não era coisa de mulher?). Cidadãos que querem namorar antes mesmo de te conhecer direito. Estamos provando do nosso próprio veneno. Gostamos? Ainda é cedo pra avaliar. Mas já é fato que não são mais as mulheres que estão desesperadas depois dos trinta.

O cidadão já quer te conhecer te enchendo de perguntas indiretas pra saber se você vai ser a futura mãe dos filhos dele. Oi??? Por que você ta me perguntando se eu quero ter filhos, meu filho? Já ta na hora desse assunto? Ele já te inclui no próximo final de semana e nas férias dele. Oi??? Não ta indo muito rápido? Nem sei se eu quero nada sério com você. Não importa. Ele quer. Antes mesmo de te conhecer, ele quer um relacionamento sério. Na cabeça dele, ele cria a mulher ideal. Aí escolhe uma pra vestir o personagem criado por ele e pronto. Achou a mulher ideal – ele pensa. Tamanha a afobação.

Quando eu era bem nova (não faz muito tempo, ta?!), existia um livro chamado “Por favor, não me ame”. Nunca cheguei a ler esse livro e hoje em dia não está mais à venda. Mas acredito que quem escreveu aquele livro me entenderia hoje. Não que eu não queira ser amada. Pelo contrário. Quero amor de verdade. Não quero preencher carências de gente que quer se casar a todo custo. Não quero que me amem porque eu preencho certos requisitos pré-definidos. Não quero que me amem porque a idade chegou ou porque é hora de pararem com as baladas e constituírem uma família. Não quero ser tapa-buraco de ninguém. De homens que nunca levaram ninguém a sério e resolveram fazer isso agora. De homens separados e sem filhos que não aguentam mais ficar sozinhos. De homens que nunca se casaram e decidiram que a hora é essa. De homens que ficaram tão carentes com a idade que não aguentam a si próprios.

As mulheres, que antigamente tinham medo de ficar pra titia se não se casavam antes dos trinta, agora têm um novo medo: de homens desesperados porque que passaram dos trinta.

............................................................

Amores, obrigada pela paciência de aguentarem minha ausência por tanto tempo do blog. É a falta de assunto (ou a repetição dos mesmos temas) que me faz poupar vocês das baboseiras! hehehe
Beijos e ótima semana!

09 dezembro 2010

O QUE QUEREM AS MULHERES


Desde que o mundo é mundo, nós mulheres tentamos entender os homens. Tentamos minimizar as diferenças descobrindo o que se passa na cabeça desses outros seres tão diferentes da gente. Na maioria das vezes, caímos em estereótipos do tipo “homem é assim”, “mulher é assado” e limitamos toda a humanidade dentro das nossas próprias percepções do mundo. Como se nossa percepção fosse única e absoluta.

Eu ando treinando o “desestereótipo”. Treinando ver o mundo de outra forma. Explico: não é porque eu comi uma maçã podre do pacote que todas estão podres (como eu achava até então). Ando tentando ouvir com menos atenção os casos corriqueiros de homens cafajestes e dando mais importância aos raros casos de homens do bem. Sim, eles existem. E quando minhas amigas começam com “ah, é porque homem é assim mesmo” eu ligo o mute interno e começo a pensar na lista de maquiagens que quero adquirir no momento. Não, gente, homem não é “assim mesmo” e eu cansei de engolir esse papo. Tem mulher periguete, tem mulher do bem. Tem homem babaca e tem homem do bem. É exceção? Pode ser. Mas existe. O grande lance é que não dá pra julgar por antecipação. Aquele cidadão bom moço pode te decepcionar e aquele outro que você não dava nada por ele pode te surpreender.

E enquanto nós, mulheres, não entendemos os homens (e nem eles entendem a gente), acho que deveríamos ser mais claras no que queremos, ao invés de fazer joguinho. Grande parte dos homens não tem criatividade ou sequer paciência pra ficar decifrando nossos códigos. Ao contrário da gente que acha que tudo que eles falam são códigos secretos e querem dizer muito mais do que o que foi dito. (Eu já superei essa fase da interpretação faz tempo, mas tenho amiga que interpreta cada palavra que o cidadão fala).

Ainda vamos demorar pra decifrar o que os homens querem. Mas entender o que nós queremos não é nem um pouco complicado se eles prestarem atenção. Não queremos anel de brilhante. Um anelzinho de papel de bala feito na hora resolve nosso problema. Não queremos dormir num palácio, só queremos deitar a cabeça num ombro que nos acolha. Não queremos a presença física o tempo todo, mas queremos saber com quem podemos contar se precisarmos. Não queremos a senha do email, mas queremos alguém em quem possamos confiar de verdade. Não queremos vigiar o celular, mas queremos alguém que não nos surpreenda com telefonemas suspeitos. Queremos alguém com quem possamos passar nosso aniversário. Passar o Natal. O reveillon. A vida. Queremos alguém que nos inclua nos planos, ainda que esse plano seja apenas a comemoração de alguma coisa banal. Queremos alguém pra quem não tenhamos que contar nada, pois esse alguém simplesmente sabe porque faz parte da nossa vida. Queremos alguém cuja prioridade é a própria vida, porém a própria vida nos inclui. O que nós, mulheres, queremos é tão simples que esse texto nem precisaria existir pra explicar isso. Tão simples que parece tão óbvio. Mas não é. Ainda existem homens que ignoram o básico. Alguns. Não são todos. Porque, como eu estava dizendo, os homens não são todos iguais.

..........................................

Gente, eu seeeeeeeeei que ando sumida, mas é a falta de assunto. Minto! Faltar não falta, mas é sempre o mesmo! Hahaha. Pra evitar cansar vocês com esse lenga-lenga, tento escrever sobre outro tema, mas acabo caindo no meeeeeesmo assunto! De qualquer forma, obrigada pelos emails lindos, pelos comentários no orkut, pelo povo que está na comunidade lá. Ah, e me sigam no tuiter @brenabraz. Agora uso isso também!
Beijos.

29 novembro 2010

CASA, COMIDA E CAFÉ COADO


“Por isso que esses moços de hoje não querem se casar. Essas moças de hoje não sabem coar um café”. E de repente, anos e anos de indagação se resolviam de uma forma simples e objetiva. Meu avô acabava de pronunciar a sábia frase que respondia a grande questão que assola o universo feminino. E, sabe de uma coisa? Se pararmos pra pensar, meu avô está certo.

Antigamente casamento tinha um outro sentido. Na época dos meus avós, casamento era pra sempre. A mulher parava de trabalhar, de estudar ou de fazer qualquer coisa que fosse, pra se casar e virar esposa. Não havia outro sentido pra vida que não fosse aquele. Ser mãe e esposa. E era por isso que os homens se casavam. Pra ter quem cuidasse da casa enquanto eles trabalhavam pra sustentar a família. A mulher ficava em casa “coando café” e cuidando dos filhos enquanto o marido saía. Pra trabalhar ou pra sei lá o que fosse.

Até que um belo dia, a mulher plantou o pé no saco de café e resolveu sair de casa pra trabalhar. E se fudeu. A mulher passou a ter que trabalhar, cuidar dos filhos, cuidar da casa. E coar o café. Só que agora, o café é pra ela. O homem ficou meio perdido no meio dessa história. E o casamento como conhecíamos perdeu a razão de existir.

No fundo, bem lá no fundo, eu acredito que todo homem pensa que “Amélia é que era mulher de verdade”. E que a esposa ideal é aquela meio burrinha que acredita que a marca de batom na camisa é molho de tomate. Aquela que acha lindo quando ele diz que chegou às onze em casa porque estava numa reunião (mesmo não entendendo o cheiro de cerveja e perfume barato no sujeito). Um cidadão uma vez me disse que “mulher feliz é mulher ignorante”. É meio que isso. Aquelas tapadas que acreditam no molho de tomate na camisa.

Uns cinco ou seis anos atrás, li numa Veja uma pesquisa que dizia mais ou menos a mesma coisa. Que os casamentos que davam mais certo eram aqueles entre homens com QI mais alto com mulheres com QI mais baixo. Não só o QI, mas escolaridade, classe social e alguns quesitos do tipo contavam. Em resumo: casamento que dá certo é aquele em que um bonzão-fodão se casa com uma anta-tapada. Ou seja, um cidadão muito foderástico com uma topeira total tem chance de ficar anos e anos casados. Um cidadão foderástico com uma cidadã igualmente foderástica, as chances de dar certo são tipo nulas. Acontece que as antas e topeiras estão cada vez mais perto de entrar em extinção. E o casamento idem.

Existem ainda aquelas que se fazem de sonsas pra manter o casamento, mas de sonsa não têm nada. Não sei. Eu não teria tanto sangue frio. E acho que comigo não funcionaria. Ao primeiro sinal que me desagradasse, a casa ia cair. Nunca me imagino casada cuidando de filho enquanto meu marido passa o final de semana na rua. Sabe as chances disso? Nulas. Negativas. Zero. Tenho dó de quem vive isso. De verdade mesmo que tenho. Acho que ninguém consegue ser feliz assim. O casamento feliz hoje tem um novo conceito. A mulher deixou de ser aquela que fica em casa coando o café e passou a ser companheira do homem. E nem todo homem entendeu isso ainda. A maioria ainda procura a Amélia. A ignorante feliz. Tenho um pouco de dó. Dos homens, claro. Porque eles estão procurando uma coisa difícil de se achar hoje em dia. Melhor comprarem um coador de café logo.

06 outubro 2010

ESSE TIPO DE GENTE


Acredito que todo mundo uma vez na vida já teve uma amiga invejosa, ou que quisesse puxar seu tapete, ou que desse em cima do seu namorado. Ou que, simplesmente fosse uma pessoa que se dizia sua amiga mas não era. Ou aquela “amiga” que parecia um corvo de filme de terror e tudo que você contasse pra ela dava errado. Já teve uma amiga assim? Então você sabe do que eu estou falando.

Tem gente que não sei. Tem uma energia ruim. Não sei explicar. Tudo na vida da pessoa dá errado. A vida dela parece um inferno. A casa já foi roubada. O irmão morreu afogado. A mãe tem problemas com drogas. O carro, já bateu duzentas vezes. A placa foi clonada. A cabeleireira errou na química e destruiu o cabelo. Tudo – mas tudo – acontece com ela. Namorado, já trocou cinco vezes no ano e nada dá certo ou vai pra frente. Doença é uma por semana. É um verdadeiro mau agouro a vida da pessoa.

E esse tipo de gente, não sei. De novo, não sei. Parece que esse tipo de pessoa atrai coisa ruim. Atrai doença, desastre, acidente. Já conheci três pessoas assim na vida. E elas espalham o mau agouro por onde vão. As coisas vão dando errado pro resto da família. Como um dominó que vai derrubando um por um em seguida.

Esse tipo de gente negativa geralmente faz amizades por motivos diferentes dos nossos. Não, elas não querem a nossa companhia. Não precisam dos nossos conselhos. Elas simplesmente precisam da gente. Precisam da gente pra ouvir seus lamúrios e reclamar da vida. E o pior: elas querem te ver reclamar. Não, elas não agüentam te ver feliz. Não, elas não admitem que nada dê certo na sua vida. Sim, elas vão sempre ver o lado negativo de tudo – absolutamente tudo – que você comentar que vai fazer. Elas estão sempre te dando conselhos pra te fuder e te ver no fundo do poço (mas na hora que você está precisando de conselho, você não consegue perceber isso).

Esse tipo de gente adora te ouvir. São capazes de te ouvir por horas se você quer reclamar ou lamentar a vida. Vão te ouvir eternamente se você quer falar mal dos homens, ou do quanto sua vida anda ferrada ou do tanto que você se deu mal no novo emprego. Ou simplesmente falar mal de algo ou de alguém. Mas não ouse falar do tanto que seu trabalho novo é incrível, que sua amiga nova é legal ou que seu namorado é bacana. Você vai ouvir um “que bom” ou simplesmente um pitaco errado. Um palpite sobre algo, mesmo que elas não façam a mínima idéia do que estão falando. Sim, elas entendem de todos os temas do universo. E sempre acham um defeito em tudo. Tu-do. Essas pessoas têm uma lente de aumento que funcionam só pras coisas ruins. Um amplificador de desgraças.

De gente assim, já deu pra mim. Cansei de compartilhar a infelicidade alheia, até mesmo quando a infelicidade nem existia. Cansei de ver o alheio querendo refletir sua infelicidade em mim. Cansei de ouvir que “não vai dar certo”, que “você não está bem”, que “não é pra você”. Essas pessoas são suas melhores amigas quando você está na lama. Conhecem, de cor, uma lista de remédios pra depressão e vão falar que você precisa de pelo menos uns três desses. Mas elas não querem resolver o seu problema, não suportariam te ver feliz. Elas só precisam de companhia pro problema delas.

01 agosto 2010

O TÉDIO E O PAU DE FERRO

Morro de tédio de gente que segue à risca as convenções sociais. Que se casa porque está velho demais pra ser solteiro (ham???), que engravida porque está “na hora” de ter um filho, que não se separa nem depois que o casamento acaba. Sabe qual o resultado disso? Outras pessoas (que espertamente não caíram nessas convenções sociais) ganham rios de dinheiro vendendo livros e cursos de “como apimentar sua relação”. A maioria, claro, ensina mulheres a dançar num pau de ferro no meio da sala ou fazer strip-tease com cinta-liga vermelha. De verdade?! Acho pouco provável que isso vá apimentar alguma coisa depois que o relacionamento foi pro ralo. Fora dizer que é um tanto quanto clichê.

Por que ninguém monta um curso para homens de “como apimentar sua vida amorosa ouvindo o que sua mulher tem pra dizer”? Ou “como segurar seu casamento dizendo a verdade”? Ou “como não cantar sua vizinha no elevador se você já tem um relacionamento”? Ou ainda “Como se divorciar dignamente sem pular a cerca”? Sabe por que? Por que isso são valores. Sua postura diante da vida e dos fatos que te cercam. E valores não são ensinados em livros, muito menos em cursos.

Até entendo que, depois de anos de relacionamento com a mesma pessoa, qualquer mulher que não seja a sua se torne candidata à mais interessante da vez. A vizinha gostosa só é vista no elevador toda linda saindo pra balada. A colega de trabalho tem sempre um assunto que te interessa e nunca vai parecer fútil. As amigas são sempre bem humoradas, não têm ciúme, não pegam no seu pé e ainda têm o maior prazer em te apresentar as amigas gatas. Olhando por essa perspectiva, qualquer namorada parece uma bruxa mesmo. Difícil de competir.

Manter um relacionamento por longos anos requer um certo jogo de cintura (e não estou falando da dança do pau de ferro, nem da cinta-liga). É um exercício diário de tolerância. Respeito. Admiração. Confiança. Companheirismo. Cumplicidade. Pensa que acabou? Ainda nem citei: o amor, a amizade, o carinho e outros tantos alicerces de um relacionamento que ainda não encontramos em livro ou curso de final de semana. Não é simples. Não tem um manual ou um curso rápido itinerante (daqueles que a “mestra” viaja pelas cidades ministrando palestras pra “salvar” casamentos). E não se trata apenas de manter o cidadão interessado no seu corpo. Esse cidadão inevitavelmente vai olhar pra vizinha, mais cedo ou mais tarde, achando ela mais interessante que a mulher que ele tem. A princípio, nada de errado em achar a vizinha gostosa. O grande lance é: o que ele vai fazer com isso? Ele pode cantar a cidadã. Pode pegar o telefone dela. Pode trocar MSN e manter conversas durante o trabalho. Pode dizer que é solteiro. Pode uma série de coisas. Isso não tem a ver com lingerie ou curso de sedução. Tem a ver com valores. Com a índole do cidadão. Com berço. Com as coisas nas quais ele acredita. Assustada? Jura mesmo que nunca tinha pensado nisso? Sinto informar, mas o curso de sedução é válido pra uma noite caliente, não pra uma vida. Pra viver junto e manter um relacionamento sólido é preciso muito mais do que uma lingerie nova. É preciso que ambos tenham valores e princípios muito claros. É preciso que os dois estejam juntos por essa série de sentimentos e não apenas por uma convenção social. É preciso aprender que a grama do vizinho uma hora vai parecer mais verde sim. Mas que existem diversas formas de se lidar com uma situação. E é isso que vai fazer toda diferença no final.

03 julho 2010

SIM, ACEITO

Não é de hoje que casamento é negócio. As pessoas se casam pra pagar menos no plano de saúde de família. Pra ter uma esposa pra apresentar na empresa e conseguir uma promoção pra um cargo. Pra ter um marido pra pagar as contas. Pra pertencer a um grupo social. Pra ter uma família pra quem deixar a herança. As pessoas se casam por diversas razões. E amor poucas vezes está incluído no pacote.

Vi essa semana na tevê que o tal do Tiger Woods, jogador de golfe americano, se separou da mulher e ela embolsou 750 milhões de dólares dele. Mais a guarda dos filhos. Em troca, a ex-esposa não poderá falar nada sobre os romances que o ex-marido teve fora do casamento. Vou traduzir pro texto ficar mais claro: a cidadã aceitou ser corna durante anos - sei lá quantos - para embolsar uma bolada depois. Isso é amor ou negócio? (Na verdade, eu acho que isso tem um outro nome, mas aí já é assunto pra um outro texto).

Tem hora que eu fico meio puta. Dá vontade de chutar o balde e dançar conforme a música. Arrumar um homem rico que pague minhas contas e fazer tudo conforme manda o novo figurino. Foda-se o amor que só me fode a vida, foda-se que eu acredito que casamento tem que ser por (e com) amor, foda-se que eu gostaria de me casar com alguém que eu ame ao invés de me casar uma conta bancária. Tem hora que me dá vontade disso mesmo. Mas o surto dura poucos segundos e logo volto ao meu estado normal.

Acho muito espertas as Daniela Albuquerques da vida que se casam com velhos gordos carecas, 40 anos mais velhos que elas, pra ter um programa meia-boca num canal meia-boca e lançar kit de beleza. Juro que acho. Mas eu não aguentaria viver de esperteza. Perder minha juventude e minha beleza sendo esperta ao invés de ser amada. Acho muito espertas as Gimenez da vida que dão pra velhos roqueiros ricos e casados pra embolsar uma pensão gorda. Mas, sinceramente, eu não conseguiria. Primeiro que não tenho o mínimo dom pra fazer sexo por dinheiro. Segundo que eu acho que filho é coisa séria, deve ser parte de uma família, e não uma fonte de renda.

Mas nada disso é privilégio da vida moderna. É assim desde que o mundo é mundo. As pessoas trocam amor por dinheiro, sexo por dinheiro, dignidade por dinheiro. Casamento é negócio. Troca de interesses, na maioria das vezes. Admiro pessoas que se casam por amor porque é bem mais difícil de dar certo. Tem que ter fidelidade. Companheirismo. Compreensão. Tolerância. Cumplicidade. Amizade. Carinho. Respeito. E uma lista interminável de quesitos que as pessoas que se casam por amor não estão dispostas a trocar por dinheiro algum. Não é fácil. Amar dá trabalho. Muito mais prático fazer do casamento um negócio mesmo. Eu ainda to na peleja. Tentando acreditar que amar pode dar certo e que casamento por amor é que vai funcionar pra mim. Não preciso de tanto dinheiro assim pra viver. E ainda que eu precise, acho que posso conseguir o meu pé-de-meia sem negociar meus valores num casamento de conveniência.

23 junho 2010

SOBRE FINAIS E RECOMEÇOS


Escolhi minha profissão aos 17 anos de idade. Vou repetir: 17 anos. Isso mesmo. Com 17 anos, você é obrigado a escolher o que vai fazer pelo resto da sua vida. Inclusive para ganhar a vida. Aos 17 anos, você não tem maturidade suficiente para saber o que quer da vida no final de semana, quanto menos pra saber o que quer da vida quando for adulto. Aos 17 anos você acha que é adulto. Afinal, você vai fazer 18 anos e aos 18 anos, na sua cabeça, você é uma pessoa super responsável já. Então você pega uma lista de cursos superiores das faculdades – na minha época, o Guia do Estudante – e começa a ver onde você melhor se encaixa.

No meu caso, sempre tive talento pras artes. Sabia escrever, mas não queria ser jornalista. Então, o que eu poderia ser? Publicitária, claro. Olhei no guia: salário inicial médio de cinco mil reais. Opa! É isso mesmo que eu vou ser então. A minha cara! Prestei vestibular e passei de cara. Aos 17 anos. Quatro anos depois, saí da faculdade formada. Uma publicitária. Meu primeiro emprego foi numa agência de publicidade que era o sonho de dez entre dez recém-formados. Meu primeiro salário: 171 Reais. O salário mínimo da época. Mal pagava a gasolina que eu gastava pra ir trabalhar.

Ralava até altas horas da noite. Engolia sapo de cliente estressado e de chefe exigente além da conta. Ouvi várias vezes a frase: vai fazer do meu jeito porque sou eu que estou pagando. E voltava pra casa pensando se não era melhor eu ir rodar bolsinha na esquina já que eu me sentia como uma puta. Paga para fazer o trabalho sujo. Chorei. Me estressei. Dei meu sangue. Fiz meu melhor. Agradei o chefe, o cliente, quem tava pagando. Mas nunca consegui agradar a mim mesma. Vivia insatisfeita vendo o dono da empresa comprar carro de meio milhão de Reais enquanto minha colega de trabalho que ralava lá há cinco anos dia-noite-madrugada não conseguia trocar seu carro mil por um modelo mais novo.

Mudava de emprego, mudava de problema. O fato é que, aos 17 anos, você é muito novo pra saber o que quer da vida. Aos 17 anos, não temos a mínima noção dos pepinos, dos perrengues e da vida real. Na minha cabeça, publicitário ficava lá tendo idéias maravilhosas, criando campanhas milionárias, ganhando prêmios em Cannes. Existem esses? Existem. Mas são os Ronaldos da vida. Um em milhões. O maioria vive de sonho, ilusão e muita ralação. Nem de longe lembra o glamour que a gente imagina.

Glamour. Sempre soube que eu gostava do glamour. Do belo. Das artes. E aí, um belo dia, chutei o balde. Decidi me arriscar em outro ramo. Começar do zero em alguma coisa que tenha tudo a ver comigo. Já que é pra ralar, suar a camisa, dar o sangue, que pelo menos eu faça aquilo que me dê mais prazer do que estresse. Algo que me dê orgulho de mim mesma no final do dia e não que me faça chorar por me sentir subestimada em troca de um salário baixo. E eu resolvi largar tudo e começar de novo. Em outros ares. Agora já madura o suficiente pra saber o que eu quero pra minha vida. Pra saber que eu quero viver do glamour sim, mas que ele pague minhas contas no final do mês. Que eu possa ter horas de lazer, mas se eu não tiver tantas quanto eu gostaria, que eu me divirta fazendo o que eu gosto no meu trabalho.

Um brinde aos novos começos.

13 junho 2010

CADA UM NO SEU PASSADO


Passado é uma merda. Você começa a namorar e o passado do cidadão vem junto. É aquela melhor amiga que já foi pegueti dele um dia e agora frequenta a casa dele e convida ele pras baladas. É aquela prima que ele passou a vida inteira babando nela e de repente começa a dar bola pra ele (e você, óbvio, não tem direito de sentir ciúme de “prima”). É aquela ex-namorada que morou junto na mesma casa e dormia na mesma cama que hoje você dorme. É aquela cama, inclusive, pra onde ele levava uma mulher diferente toda semana, em que você vai ter que dormir. É aquele monte de merda que o cidadão te contava que fazia. É com isso que você vai te que conviver agora.

Ter um relacionamento, seja ele qual for, não é fácil. Ter um passado, seja ele qual for, é inevitável. Tem gente que traz um final de casamento mal resolvido. Tem gente que traz uma penca de filhos. Tem gente que traz uma ex-namorada que não sai da cola. Tem gente que traz filho que nem sabia que tinha e que aparece dez anos depois. Tem gente que traz traumas de relacionamentos antigos. Tem gente que traz medos. Decepções. E mágoas.

O passado deveria servir pra trazer aprendizado. Experiências positivas. Esperança. E ficar pra trás. O passado não deveria ser uma mala que você carrega a viagem inteira. Tudo que se vive é válido. É lindo (algumas vezes). Mas é passado. Serviu como experiência, mas passou. Passado.

Tem gente que não consegue simplesmente deixar ir. Eu tenho amiga que ainda liga pro ex-namorado depois de três anos que terminaram. O pobre coitado do sujeito já explicou mil vezes que tá namorando com outra, que vai se casar e ela não se toca. Tenho outra que coleciona namorados. Namora com um, mas continua de rolo com os ex, pelo simples fato de não conseguir largar o osso. E nisso, já está no terceiro namorado fatorial.

Seria muito bom que você pudesse interagir com alguém como se nenhuma das partes tivesse vivido experiências boas ou ruins. Como se fossem uma página em branco. Mas não é assim que funciona. Você e todo mundo têm uma memória interna. Um HD onde a gente vai salvando as coisas, deletando umas e outras por descuido – ou por querer – pra caber mais coisas de novo. E nesse HD a gente guarda tudo, desde que a gente nasceu. Pra isso serve essa memória interna. Porque é lá onde as coisas que passaram devem permanecer. Nas lembranças. Quando o passado começa a brigar com o presente, é porque alguma coisa está errada. Fora de lugar. Um deles está invadindo o espaço do outro. Seu passado é só seu. O passado do outro é só do outro. E, se esse passado não foi vivido junto no seu devido tempo, não tem porque ser vivido junto no presente.

.................................................................

Queridos, tenho escrito pouco, pois decidi parar de escrever sobre minha própria vida e apenas escrever sobre minhas percepções da vida.
Beijos e boa semana.

27 janeiro 2010

ESMALTES E UM BURACO VAZIO


Ando insatisfeita com esmaltes. Troco de esmalte duas vezes por semana e quero comprar uma cor nova cada vez que pinto as unhas. E nunca acho a cor certa que estou procurando. Na verdade, troco tanto porque não sei qual cor estou procurando. Ando insatisfeita com esmaltes. Ando insatisfeita com esmaltes, com hidratantes perfumados e comigo mesma. Ando comprando coisas inúteis demais. Comprando coisas demais pra preencher um vazio interno que não precisa de esmalte, de hidratante perfumado ou de nenhuma outra coisa que se possa comprar pela internet.

Dizem que a solidão é o mal do século. Eu concordo. Solidão é ter amigos, ter um namorado, ter uma família linda, ter milhares de admiradores. E não ter a si mesma. Solidão é viver numa sociedade cada vez mais superficial, cada vez mais consumista, que julga as pessoas pela aparência e pelo tanto de dinheiro que elas têm. Solidão é o que move a internet hoje – e sempre. Solidão é a única razão pela qual os Orkuts, Facebooks e Twitters da vida se popularizam cada vez mais. Queremos amigos, queremos mensagens fofas, queremos depoimentos que dizem pro resto do mundo o quanto somos lindos, cheirosos e bem amados. Queremos mostrar fotos das viagens pra Europa, queremos mostrar fotos com trinta amigos diferentes, queremos mostrar foto do namorado novo da semana, queremos mostrar fotos da nova melhor amiga de infância que acabamos de conhecer, queremos que o mundo saiba que somos amados. Queremos admiração. Queremos falar, o tempo todo, que temos amigos, amor e dinheiro. Mostramos (ou, pelo menos, tentamos mostrar) pro mundo que somos a estampa ideal, quando, na maioria das vezes, a viagem pra Europa foi financiada em mil vezes ou foi paga pela empresa, os trinta amigos da foto só são amigos na hora da foto e não são pessoas que se importam de verdade no dia-a-dia. E os novos amores se vão a cada semana.

Queremos ter mil amigos no Orkut, mas não achamos companhia pra assistir um filme no cinema quarta-feira à noite. Queremos nos comunicar com todo mundo do Facebook e “reativar” amizade com pessoas com as quais mal falávamos “oi” dois anos atrás. Damos bom-dia no Twitter (um negócio onde se fala sozinho) e não damos bom-dia pro vizinho no elevador. Adicionamos Deus e o mundo no maldito MSN pra termos companhia e não perder o contato com aquela pessoa tão querida e amada com a qual trocaremos três frases ao longo do ano. Pessoas verdes online com as quais mantemos relações virtuais 24 horas por dia. Tudo muito superficial. Tudo muito virtual. Tudo fruto da nossa maldita carência, tão maldita quanto essas relações virtuais infundadas. Precisamos nos afirmar pro mundo e pra nós mesmos. Precisamos nos encaixar nos padrões atuais de pessoa bem-sucedida e amada pra sermos aceitos.

Mas o vazio está lá. Nas tardes de domingo. Nas compras virtuais cujo encantamento acaba assim que o produto chega à nossa casa. Esperamos encontrar a felicidade no Macbook novo, no celular com mil funções que não toca, nas novas cores de esmalte que são lançadas toda semana, nos hidratantes perfumados, nos xampus caros. Compramos pra ter companhia. Compramos pra preencher um vazio interno. O mesmo vazio que tentamos preencher com amigos virtuais, relacionamentos virtuais e mentiras virtuais. Tapamos o sol com a peneira. Tapamos nossos buracos com relacionamentos que não existem. Despistamos nossa carência aguardando um produto chegar pelo correio. Nos tornamos tão superficiais quanto nossos relacionamentos virtuais. Nos tornamos tão efêmeros quanto os esmaltes da cor da moda. E continuamos nos sentindo vazios. E trocando a cor do esmalte a cada semana.

14 dezembro 2009

COISA DO DESTINO


E aí você acha que é coisa do destino. Sim, o destino, aquele desgraçado que só te arruma confusão. Aquele mesmo que vive aprontando com você e te metendo em enrascadas homéricas. Afinal, que outra força do universo colocaria você naquela situação tão inusitada depois daquilo que teria tudo pra ser o dia mais fracassado do ano (ou, quem sabe, da sua vida toda)? Coisa do “destino” e da sua cabeça maluca que acha que a vida é um filme de comédia romântica.

O “destino” glamouriza tudo. Um término de namoro, um começo, um recomeço. Seu ex-namorado te liga bem no dia que você saiu com aquele cara incrível - e foi uma merda. Aí, você acredita que é um sinal, que era pra ser assim, que aquilo foi um plano traçado por Deus ou pelos deuses ou por qualquer outra força superior que não depende da sua intervenção. A verdade é que nós, mulheres, somos seres carentes. Precisamos, o tempo todo, de sinais divinos, de finais felizes, de príncipes encantados. Enxergamos príncipes em sapos. Descobrimos o amor das nossas vidas com uma semana de namoro. Nos apaixonamos no segundo encontro (ou até mesmo antes do primeiro). Acreditamos em amor à primeira vista.

Usamos o “destino” como um calmante. Era pra ser assim. Você fala pra si mesma no dia que tomou o maior e mais dolorido pé na bunda de todos os tempos. Não era pra ser. Não era pra você namorar aquele imbecil. Era pra você sair com aquele lindo tudo de bom. Inventamos o “destino” pra justificar todas as coisas que acontecem que não dependem da nossa vontade. Chamamos isso de destino pra podermos seguir em frente sem mágoas e mais confiantes. Como se tudo de bom ou de ruim que acontecesse fosse pro nosso bem. Como se não fôssemos livres pra intervir e mudar o rumo das coisas. Excluímos de nós toda culpa, mas também todo mérito. Eliminamos o acaso da nossa vida. Não acreditamos em coincidências. Tudo era pra ser. Um plano traçado imutável.

E você vive sua vida esperando que o destino te arrume um bom plano pra seguir, espera que o sapo vire príncipe (mas só o contrário acontece), espera conhecer um cara bacana quando precisa de uma informação pra pegar um táxi numa rua deserta às onze da noite. Espera que esse cara te convide pra subir e que ele seja tão bacana quanto parece à primeira vista. Você espera que ele seja lindo e macio e gentil e um fofo. Você espera que ele te convide pra passar a noite ainda que você não aceite só pra não pegar mal. Você espera que você goste tanto quanto ele ou que ele goste um pouquinho mais. Você espera que todas as suas percepções façam jus à realidade. Você espera que isso seja mesmo coisa do destino. E que o destino (esse ingrato!) não esteja de novo te pregando uma peça.

..................................................................

Amores, os textos postados aqui são obras de ficção e da minha cabeça imaginativa. Qualquer semelhança com a realidade terá sido (sempre) mera coincidência. E eu acredito em coincidências.