19 abril 2006


Tive que aprender, na marra, a lidar com a saudade que nunca vai passar. A saudade de quem foi embora pra sempre. E sempre quis escrever isso, mas nunca antes tive coragem. Ou, talvez, nunca tenha tido forças. Começo e, de repente, não consigo mais teclar.

Se eu soubesse que aquela seria a última vez que eu fosse te ver, teria te abraçado mais forte. Teria atrasado minha viagem, em meia hora que fosse, pra jogar conversa fora. Pra lembrar do seu sorriso ingênuo. Pra contar casos que agora eu não posso mais te contar. Casos do Vitinho, do Henrique e do Renatinho. Coisas que não fazem sentido pra mais ninguém, mas pra gente fazia. E como. Outro dia, tive notícias do Vitinho. Queria ter te contado.

E das vezes que eu chorei na escada do prédio. Menina. Por uma coisa tão banal. E você, tão menina quanto eu, me socorria. E me dizia palavras que pareciam tão mais maduras do que eu. E nem eram. Éramos duas meninas com nossos problemas adolescentes que, para nós, eram os maiores problemas do mundo. E seu chapéu de Paquita? Está na minha casa até hoje. Assim como todas as cartas com aquela letra linda que só você tinha na época do colégio. Aquela letra que escrevia as fichas do nosso “Xou da Xuxa”. Aquela sua inocência de menina que nunca passou. Pessoa boa que pensava que o mundo era bom também.

Por um ano, guardei seu presente de aniversário. Por falta de tempo pra gente se encontrar e eu poder entregá-lo pessoalmente a você. Já era quase o outro aniversário quando nos encontramos pra aquela que seria a nossa despedida. Mas só soube disso depois. O destino aprontou essa comigo. E ainda me pergunto se as coisas acontecem do jeito que têm que acontecer mesmo. Quis Deus que eu tivesse te entregado seu presente de aniversário naquele dia. Não fosse isso, não me perdoaria por não ter achado um tempo que fosse pra te encontrar.

The Maris, você vai ser, pra sempre, minha melhor amiga de infância. Quando você foi embora, levou junto parte da minha história. Mas eu tenho minha máquina do tempo. E o que me faz voltar ao passado são minhas lembranças. Lembranças de um tempo que não volta nunca mais. Espero que Deus esteja cuidando de você direitinho, porque eu ainda tenho vários casos pra te contar. Por enquanto, é só saudade.

29 comentários:

Augusto Galery disse...

(É um silêncio presente, do tipo "conta comigo pro que precisar, desde pra falar abobrinha pro tempo passar mais suave, até pra te deixar quieta com suas lembranças"...)

Saramar disse...

Brena, bom dia.
Maravilhoso o seu texto, tão bonito e doce apesar desse assunto tão terrivelmente doído. Você sempre escreve muito bem e com um jeitinho tranquilo de transmitir seus sentimentos.
Gosto demais de lê-la.
Beijos

Karina disse...

Isso mesmo! Parabéns! Me fez chorar em pleno começo do dia!!! rs
Lindo o texto e será devidamente copiado qq dia desses por mim, mas darei devidos créditos obviamente!
Heim, vc tem MSN?
Bjo!

Aninha disse...

Eu não sei lidar com a saudade de quem já foi. Definitivamente, tenho uma visão bem infantil da morte...alguém que viajou pra longe, mas que um dia ainda irei reencontrar. Acho que assim, sofro menos.
Beijos!

cilene disse...

essa saudade ai nao tem jeito,mas a dor passa com o tempo

Luiza Lisboa disse...

Que lindo Brena!!!
Tenho certeza que vcs duas são dois anjinhos! Vc pode não estar vendo ela,mas acredito que ela está te vendo e sabe de todos os casos que vc queria contar!
Bjim***

Sarah disse...

Até hj eu ainda lembro das voltinhas de carro, dos xurrascos só nossos na xácara, das loucuras q agente fazia, e de como agente ria depois de todas elas...eu peguei só um pedacinho dessa época, + o pouco tempo q eu peguei, foi ineskecivel:)
Lembro até a fita q a Brena gravou pra mim: "fita para the garris"..auhauahauuhauha...eu tinha 14 anos...época boa essa!
Adorei o texto Brena, viajei aki..

Rodrigo "Kiko" Torres disse...

Você me pegou desprevinido!
Depois do "anjo cagando" esperava mais um texto sobre inaptdão masculina, incongruência de gêneros, etc... mas não! Chorei bicas! Mesmo sem ter sofrido grandes perdas como essa, senti!
Não sei porque me surpreendi... afinal, você sempre me faz SENTIR!
Beijos,
Kiko

Déborah Tolentino disse...

É Breníssima... Eu passei por isso "ontem", vc bem sabe... A nossa dor é só nossa, os momentos passados também. Resta amar o que elas deixaram em nós, e chorar sempre que der vontade. Bj!

Joao Guandalini disse...

Guria, divino o seu post hoje... Situações como essa nos fazem crescer um monte, evolução e amadurecimento em doses cavalares... Infelizmente não convivemos bem com isso, mas acho que é mais por impericia do que qualquer outra coisa... Amizades como essa e de sua amiga ultrapassam tempo, vidas e espaço! Beijão!

Moita disse...

Brena, que saudade. Fazia tempo que não lhe via na Moita, bem até eu tou sem muitas condições de passar na Moita.

Mas essa amizades de infãncia são assim mesmo. A familia muda de lugar e lá se vão nossos melhores amigos.

Agora quando voce voltar homem, quero ser seu amigo, pra fazermos tudo aquilo juntos.

UM cheiro

Lúcia disse...

Muito bom o seu texto, gostei. saudade pra mim eu defino como uma coisa boa, gostosa... principalmente quando lembro algo que me faz bem. As ruins deixo pra lá, rs! Sucesso e tudo de bom!

Gissa disse...

Brenaaaaaaaa,
Pára, ow!
To em prantos aki.. incontrolável!
Adorei sua homenagem a The Marys.. pude conhecê-la um pouquinho e sei da sua grande amizade com ela, o tamanho do carinho q guardará sempre de tudo isso...
Como sempre, vc se expressa ótimamente bem...
Não consigo mais escrever.. Lágrimas e saudades são as coisas mais inexplicáveis na minha vida!!!

Amiga, estou com vc!
Te amuuuuuu muitão...
Bjusss e q Papai do céu te proteja sempre e continue te dando esse sucesso todo!

Orgulho!

[Gi].

Laura Pantaleao disse...

brena querida,

uma saudade tão forte, esse buraco em nosso peito, existe porque ali um dia existiu um grande amor, uma amizade sem tamanho. e isso é bom. dói, mas enche nossa vida dessa pessoa, dessa existência que nos trouxe tantas coisas.
penso naquela que partiu como alguém que já esteve comigo. ainda choro, sinto saudades (sempre!), mas sou feliz porque ela fez parte de minha vida.
deixo um belo poema de cecíla meireles pra você, acompanhado de um abraço be apertado!
bjim

"pelo arco-íris tenho andado.
mas de longe, e sem vertigens.
e assim pude abraçar nuvens,
para amá-las e perdê-las.

foi meu professor um pássaro,
dono de arco-íris e nuvens,
que dizia adeus com as asas,
em direção às estrelas."

Tex Murphy disse...

Lindo o texto, Brena...como sempre você conseguiu expressar seus sentimentos maravilhosamente bem...

Beijo procê!!

lipeburger disse...

demorou pra escrever pq tinha que escrever perfeito como está, denso e extremamente emocional como está. Um lindo texto pra falar de lindos sentimentos, que nem a morte é capaz de apagar...tenha certeza que tudo que sente é mais forte e pode transcender essa passagem pela qual todos nós esperamos!!!
mil beijos

Heitor Silveira disse...

Olá; meu nome é Heitor Silveira do blog www.canalgeral.zip.net e do www.magaverbr.zip.net

Se essa foto realmente for sua; parabens por toda essa beleza; é até exagerada, pois chama a atençao realmente!

Ouça minha web rádio
www.radioultra.net

Vamos trocar links?

Lúcia disse...

É verdade, Roberto teve um tempo que usou uma pena pendurada na orelha. Só não me recordo em que ano e qual foi a música. Mas a saudade continua...risos... beijos e tenha um bom feriado.

Aninha disse...

BRENA, hj que eu me toquei que o seu blog leva o nome do novo cd do Jota.
Que lerdeza.
HUMF.

joão alguém disse...

nas noites mais bonitas
os presentes mais tristes
bordam de céu a saudade
encobrindo a solidão

...
É sempre assim. As lembranças se tornam estrelas, e distantes. Só o que ressuscita, é a chuva.

Karlyanne disse...

E como já dizia Miguelito....
"Saudade é não saber o que fazer com os dias, que ficaram mais compridos..."
E a srta? Como está???
Uma linda semana pra você!
Beijinho.

m disse...

lindo seu post... fiqkei arrepiada ao ler...
Lidar com com essa saudade é mesmo mto dificil :/

Marcia disse...

SAUDADONA DE VER NOVOS POST! Beijos

Flávia disse...

Não é fácil mesmo imaginar que nessa vida não iremos ver mais essa pessoa, ver seu sorriso, seu jeito de falar.
Ainda bem que as lembranças ficam!E ainda bem que o tempo passa rápido.

Beijos!

Blogue da Magui disse...

Saudade e uma dor que nunca acaba.Nao existe forma de lidar com ela.
http://somagui.blogspot.com

leonardo félix de Souza disse...

Nossa Brena, esse é especial !!!!

É a minha cara, amizade de antes que não volta mais , amigos que se foram e não dera as caras mais, saudades que ficam pra sempre em nossos corações, cada um com sua vida, cada um seguindo seu próprio caminho !!!!


E ELA fica dentro do peito, batendo como o coração, e chega até a doer, e nós não temos as vezes para quem dizer isso !!!

linda demais !!!

Adorei

beijos

OBS: Meu fotolog é so bobeira, tenho so pra ter, quero agora é um blog !!!

The disse...

The Rennis, porra! To em prantos caralho...

RAQUEL disse...

Também ja chorei na escada do prédio!!!
Uma falta de força p chegar em casa...
bjuuus

carolina disse...

Lindo =/

PS: Uma semana que perdi um amigo.

Dói demais! PQP!

Sorry...

:(